sexta-feira, 8 de abril de 2011

FADO OLIVEIRA ou FREIRA
(Miguel Ramos)



FADO FREIRA OU OLIVEIRA EXEMPLOS:

FA# - Ovelha negra - Beatriz Da Conceicao
MI - A Minha Neta - Miguel Silva
MI - A ultima Tourada Real De Salva - Rodrigo
MI - Adeus a Um Amigo - Fernando Mauricio
MI - Ultima tourada em Salvaterra - Francisco Pedro
RE - Ultima tourada em Salvaterra - Luis Durão
MI - O Bairro e o poeta - Frutuoso França

LETRAS DESTE FADO:

Fado Freira - Ultima tourada em Salvaterra

Conta-nos a tradição, que em tempos que já lá vão
O Marquês em franca terra
Acabou pra nunca mais com as touradas reais
Em praças de Salvaterra
Acabou pra nunca mais com as touradas reais
Em praça de Salvaterra

Toureava nesse dia, ante nobre fidalguia
O jovem Conde dos Arcos.
Cujo sangue valoroso, por capricho desditoso
Na arena tombava em charco.

Vê Marialva, o marquêsolha o touro que desfez
O seu filho tão amado.
E diz a el-rei com fervor : - Eu vos juro meu senhor,
O conde será vingado!

El-rei nega por temor mas desvairado pela dor
O Marquês saltou pra Praça
E vinga com decisão pela sua própria mão,
O sangue da sua raça.

E então el-rei que chorava ao ministro que aguardava
Disse : - Marquês de Pombal,
Jamais fica ordenado haverá no meu reinado,
Outra tourada real!

Fado Freira - Adeus a um amigo

Só nós dois é que sabemos
Quantos fados acendemos
Nas noites desta cidade
O Vendaval já passou
Mas a tua voz ficou
Na memória da saudade

Tu foste o Cantor Latino
Que começou de menino
A vaguear neste rio
Foste o poema em renovo
Cantiga na voz do povo
E hoje és Lugar Vazio

Com um cântico na mão
Romântico meu irmão
Tu foste pla vida fora
Foi Hora de Despedida
Fechou-se o Palco da Vida
O Destino Marca a Hora


Fado Freira - O bairro e o poeta

A Natália, essa fadista
De voz terna, saudosista
Toda encanto e melodia
Foi a melhor companheira
Que o Gabriel de Oliveira
Teve ali, na Mouraria.

Ele fazia-lhe os versos
Esses poemas dispersos
Com sabor a tradição
E ela aprendia a cantar
Naquele 1º andar
Na Rua do Capelão

Em volta imagens antigas
De fadistas e cantigas
Numa graça colorida
Tudo ali sabia a fado
Desde um verso bem rimado
À tese mais escolhida

Na viela escura e triste
Onde agora só existe
A saudade duma grei
Aquela velha casinha
Era um trono de rainha
Num bairro onde o fado é rei

Foi nesse bairro fadista
Que o poeta mais bairrista
Um nome grande marcou
Porém, tudo se perdeu
Porque o Gabriel morreu
E a Mouraria acabou.

Nenhum comentário :

Postar um comentário